Técnicas de Mapas mentais para processos criativos

Compartilhe:


Técnicas de Mapas mentais para processos criativos

Os mapas mentais estão cada vez mais populares entre os candidatos de concursos, vestibulandos e os estudantes que participam de seletivas, como a do Enem. É uma forma de utilizar ambos os hemisférios do cérebro para memorizar e compreender determinados assuntos, fazendo uso ainda da criatividade e de diferentes recursos visuais. Aprenda como fazer mapas mentais e use-os em seus estudos!

O que são os mapas mentais?

Não se sabe a origem dos mapas mentais, mas nas últimas décadas eles caíram no gosto daqueles que estudam e se preparam para algum processo seletivo, devido a sua eficiência na hora de memorizar e compreender os assuntos em questão.
Seja nos estudos escolares, na preparação para concursos e processos seletivos ou até mesmo como uma ferramenta administrativa e criativa nas empresas, para apresentações e brainstorms, por exemplo, este recurso é realmente muito útil. É o mapa mental que possibilita ao indivíduo organizar as suas ideias, desenvolver argumentos, elencar conceitos e muito mais.
A boa notícia é que os mapas mentais são muito fáceis de serem criados e cada pessoa pode adaptá-lo ao seu modo. Em pouco tempo, você verá que este recurso aumentará a sua capacidade de memorização e associação de ideias, a criatividade para solucionar questões, usando ambos os lados do cérebro no processo.

Como criar seus mapas mentais?


Na maioria das vezes, os mapas mentais seguem a mesma estrutura – são estas três premissas que permitem a criação de mapas mentais. Veja:
  1. Uso de imagens: É um artifício útil desenhar em seus mapas mentais, pois será muito mais fácil de memorizar o conteúdo. Elas devem ser integradas com o restante do conteúdo para ativar diversas habilidades do córtex cerebral, o que otimiza a capacidade de memorização e entendimento de conceitos. O uso de imagens pode facilitar em até 90% a capacidade de memorização dos seus conteúdos de estudo – ainda mais se você mesmo desenha.
  2. Pensamento radial: Quando você está estudando determinado assunto de história, por exemplo, o que sente? Como imagina estes eventos? E quando ouve uma música interessante, como você reage? Uma sensação pode ativar milhares de pensamentos e a ideia é expressar isso em um mapa mental, onde as associações que são feitas pelo cérebro podem ser descritas e desenhadas.
  3. Hemisférios cerebrais: O cérebro é dividido em dois hemisférios: direito e esquerdo. Eles realizam processos intelectuais distintos, como a imaginação, a lógica, identificação de cores e formas etc. Os especialistas já estão de acordo que estas partes podem ser integradas. Os mapas mentais usam ambos dois hemisférios para ampliar a capacidade de memorização e compreensão dos conteúdos.

Mapas mentais na prática


  1. Separe uma folha de papel, lápis de cor ou canetinhas de cores diferentes. Use ainda um lápis comum e uma borracha. Você verá que mapas mentais feitos à mão dão mais resultados que os eletrônicos, já que a diferenciação que faz o mapa mental único é o que permite que o cérebro memorize mais fácil.
  2. Você pode ainda utilizar um programa ou ferramenta eletrônica para fazer o seu mapa mental, se tiver habilidade.
  3. Defina um assunto que irá estudar. É preciso ser específico. Por exemplo, na matéria de História, o assunto poderia ser Revolução Francesa. No centro da folha faça um círculo e escreva o assunto. Você pode ainda desenhar algo significativo para você e que tenha a ver com o assunto.
  4. A partir da ideia central, relacione tópicos e subtópicos que tenham a ver com o assunto. No caso da Revolução francesa que usamos como exemplo, poderá criar três ramificações que representam as três fases deste evento histórico – fase 1 / Monarquia Parlamentarista ou Constitucional; fase 2 / revolução pelos Jacobinos (a mais radical); e fase 3 / Reação Termidoriana. Este é só um exemplo, mas você pode elencar assuntos relacionados ao seu assunto principal.
  5. Use e abuse das cores para criar as suas ramificações, imagens, ícones e desenhos e tudo mais o que achar pertinente. O importante é usar a imaginação. Você pode escrever números em cada ramificação para memorizar uma sequência, quando necessário.
  6. Depois, utilize sempre o seu mapa para rever o resumo do assunto e se lembrar das informações periféricas. Você memoriza os conteúdos fazendo o mapa mental e ainda toda vez que o relê.
Aproveite esta opção para estudar com mais eficiência.


SE VOCÊ GOSTA DO NOSSO CONTEÚDO -  Siga nosso perfil de Dicas do LinkedIn:












Desejamos sucesso a todos!


Compartilhe:

Dicas

Deixe seu comentário: